Search
Friday 23 August 2019
  • :
  • :

O tempo da Quaresma na vida eclesial

A Quaresma é tempo propício para vivermos a eclesialidade, pois nela culmina a missão redentora de Cristo. Após a sua vida pública, Jesus vive a paixão, morte e ressurreição – ponto alto da nossa salvação. Ele morreu para que todo aquele que nele crer tenha vida eterna. Não existe cristão católico fora da vida eclesial. Não basta a pessoa ser batizada, ter feito a primeira comunhão e até ter casado na Igreja  católica se não vive a prática e a comunhão na comunidade eclesial da paróquia que pertence. Nós os batizados, formamos o corpo místico de Cristo. Assim como corpo humano tem muitos membros, a Igreja tem muitos filhos, e cada um tem uma missão, da mesma forma que os membros do corpo humano tem funções diversas.

“O único Mediador, Cristo, constituiu e incessantemente sustenta aqui na terra sua santa Igreja, comunidade de fé, esperança e caridade, como organismo visível pelo qual difunde a verdade e a graça a todos. […] Esta é a Igreja de Cristo, que no Símbolo confessamos, una, santa, católica e apostólica; que nosso Salvador, depois de sua ressurreição, entregou a Pedro para apascentar (cf. Jo 21, 17) e confiou a ele e aos demais apóstolos para propagar e reger (cf.Mt 28,18)” (LG 8).

Ninguém pode dizer: “Eu não sei fazer nada”, “não posso colaborar com nada”. Em primeiro lugar, o testemunho em casa e no trabalho. A participação dominical na paróquia, os diversos serviços – catequistas, leitor, equipe de cantos, visita aos doentes, ministros extraordinário da Sagrada Comunhão etc. Importante também é ser dizimista, enquanto forma de sermos agradecidos a Deus. Não é esmola. O que damos é para as despesas relacionadas a tudo o que a igreja precisa para se manter – limpeza, necessidades do sacerdote, da casa paroquial, serviços prestados aos necessitados etc.

O tempo quaresmal é muito sugestivo para repensarmos nossa vida espiritual. Os temas propostos pela CNBB para a Campanha da Fraternidade – a qual neste ano trata da “fraternidade e políticas públicas” –  muito nos ajudam nesse sentido. A todos uma frutuosa Quaresma!

+D. Geraldo Majella Agnelo

Cardeal Arcebispo Emérito de Salvador




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *